Menu
A+ A A-

Descoberto nos Apalaches, o forte europeu mais antigo no interior dos EUA

espanol

ANN ARBOR—Uma equipe de arqueólogos descobriu os restos do forte europeu mais antigo no interior, do que agora são os Estados Unidos, oferecendo novas idéias sobre o início da era colonial do país e todas as razões "bem humanas", que estragaram os sonhos espanhóis de ouro e glória.

O Capitão espanhol Juan Pardo e seus homens construíram o Forte San Juan, aos pés dos Montes Apalaches em 1567, quase 20 anos antes da "Colônia Perdida" do explorador Sir Walter Raleigh, em Roanoke, e 40 anos antes do acordo de Jamestown, que estabeleceu a presença da Inglaterra na região.

"O Forte San Juan e outros seis que juntos se esticavam da costa da Carolina do Sul até o leste do Tennessee, foram ocupados por menos de 18 meses antes que os americanos nativos os destruíssem, matando todos, menos um dos soldados espanhóis que liderava as tropas," diz o arqueólogo da Universidade de Michigan Robin Beck.

Beck, professor assistente do Departamento de Antropologia da U-M e curador assistente do Museu de Antropologia da U-M, está trabalhando com os arqueólogos, Christopher Rodning, da Universidade de Tulane e David Moore, do Warren Wilson College para escavar o local próximo da cidade de Morganton, no ocidente da Carolina do Norte, cerca de 300 milhas da Costa Atlântica.

O local batizado como Berry, nomeado em honra à administração dos proprietários rurais, James e da falecida Pat Berry, está situado ao longo do afluente do Rio Catawba e era o local da cidade nativa americana Joara, parte da cultura mississipiana que floresceu no sudeste dos EUA entre 800 e mais ou menos 1500 EC.

Em 2004, com o apoio da National Geographic Society e da National Science Foundation, Beck e seus colegas começaram as escavações em várias das casas ocupadas por soldados espanhóis na Joara, onde Pardo construiu o Forte San Juan. Pardo chamou esta pequena colônia de casas de espanhóis de Cuenca, homenageando sua própria cidade Natal na Espanha. No entanto, os restos do forte não foram descobertos até o mês passado.

"Nós sabemos há mais de uma década onde os soldados espanhóis viviam," diz Rodning. "Este verão nós estávamos tentando saber mais sobre o Monte Mississippian no Berry, que foi construído pelo povo de Joara, e em vez disso, descobrimos parte do forte. Para todos nós, foi um momento incrível."

Usando uma combinação de escavações em grande escala e técnicas geofísicas como a magnetometria, que fornece imagens de raio-x do que está abaixo da superfície, os arqueólogos agora foram capazes de identificar seções do fosso de defensa ou da trincheira do forte, como um provável bastião de canto e uma superfície de cascalho que formou uma porta de entrada do posto. Escavações realizadas no final de junho revelam que o fosso teria sido em um formato V, medindo 5,5 pés de profundidade e 15 pés de diâmetro. Artefatos espanhóis recuperados neste verão incluem pregos de ferro e tachas, cerâmica majólica espanhola e um gancho de roupa de ferro do tipo usado para fixação de bois e para anexar bainhas para espada nos cintos.

O Forte San Juan foi o primeiro e maior posto de tropas que Pardo fundou como parte de um ambicioso esforço para colonizar a América do Sul. Pedro Menéndez de Avilés, que tinha estabelecido as colônias espanholas de Santo Agostinho e Santa Elena em 1565 e 1566, respectivamente, liderou esse esforço. Dos seis postos que Pardo construiu, o Forte San Juan é o único que foi descoberto por arqueólogos.

Durante o breve tempo em que os espanhóis estiveram em Joara, diz Beck, eles estavam ativamente prospectando ouro, mas nunca o encontraram. No entanto, o ouro estava lá: no início do século XIX, colonos americanos encontraram tanto apenas na superfície perto dos rios que uma pepita de ouro de 17 libras foi usada como batente de porta e uma Casa da Moeda Americana foi estabelecida em Charlotte, desencadeando a primeira corrida do ouro na história dos EUA.

Se o povo de Joara tivesse dado aos soldados de Pardo mais tempo para descobrir este ouro, a Espanha teria provavelmente fundado uma invasão colonial em grande escala na área, a Inglaterra teria tido dificuldade em estabelecer sua posição em Jamestown e toda a parte sudeste do que é hoje os EUA poderia ter se tornado parte da América Latina.

Por que os mississipianos eliminaram os espanhóis tão rapidamente? Beck e seus colaboradores argumentam que originalmente, os espanhóis trocavam presentes por alimentos com os nativos. "Os soldados acreditavam que, quando seus presentes eram aceitos, significava que os povos nativos eram seus súditos," diz Beck. "Mas para os nativos, era simplesmente uma troca. Quando os soldados ficaram sem esses presentes, eles esperavam que os nativos continuassem a alimentá-los. Naquela época, eles também se comprometeram ao que os espanhóis se referem como "indiscrições" com as mulheres nativas, que pode ter sido um outro motivo pelo qual os homens nativos decidiram que tinham que partir. Então comida e sexo foram provavelmente duas das principais razões para destruir as fortalezas e os povoados espanhóis."

"O significado do Forte San Juan se estende muito além da região do Piedmont, na Carolina," diz Moore. "Os eventos no Forte San Juan representam um microcosmo da experiência colonial em todo o continente. A falha da Espanha criou uma abertura para que a Inglaterra explorasse Jamestown, em 1607, quando começa a narrativa da fronteira familiar na América. Para os nativos americanos, porém, este foi o início de uma remodelação a longo prazo e muitas vezes trágica do mundo pré-colonial deles."