Menu
A+ A A-

A economia dos EUA ainda não sente reflexo Trump

english espanol

ANN ARBOR - Nos primeiros três trimestres de Donald Trump como presidente, a economia dos EUA teve uma taxa sólida média de crescimento de 2,4%, bem abaixo dos 4% que prometeu como candidato e dos 3% que sua primeira proposta de orçamento federal assumiu.

Os economistas da Universidade de Michigan estão projetando que o crescimento econômico geral do país, medido pelo Produto Interno Bruto real, aumentará de uma média de 1,5% no ano passado para 2,2% em 2017, 2,5% em 2018 e 2,1% em 2019.

A previsão, produzida anualmente pelo Seminário de Pesquisa em Economia Quantitativa do Departamento de Economia da U-M desde 1952, foi preparada pelos economistas Daniil Manaenkov, Aditi Thapar e Owen Nie.

"A administração Trump ainda tem que deixar uma marca duradoura na paisagem fiscal," disse Manaenkov.

No próximo ano, Trump poderá deixar sua marca na reforma tributária, o que também poderia ter implicações significativas para os gastos do governo, dizem os economistas. A U-M prevê US $ 150 bilhões em cortes de impostos corporativos e pessoais anualmente, o que aumentará o déficit.

"A ampla reforma fiscal que está sendo debatida tem o potencial de remodelar o código tributário da nação de forma substancial pela primeira vez desde 1986," disse Manaenkov. "Nós acreditamos que os déficits federais estão aumentando, mas quanto?"

Outras medidas econômicas importantes e a previsão baseada no Modelo Econométrico Trimestral de Michigan da economia dos EUA incluem:

  • Empregos: a economia nacional somará 3,7 milhões de empregos nos próximos dois anos - 2 milhões de empregos em 2018 e outros 1,7 milhões em 2019.
  • Taxa de desemprego: a taxa de desemprego anual continuará a diminuir de uma média de 4,4% este ano para 4,2% em 2018 e 4,1% em 2019.
  • Inflação: por se manter fraco, o núcleo de inflação (ou core inflation, em inglês) do Índice de Preços ao Consumidor está previsto para registrar 1,7% em 2018 e aumentar para 2,1% em 2019.

Os economistas da U-M esperam que o Fed aumente as taxas de juros na reunião de dezembro.

"A recente fraqueza no núcleo de inflação deve preocupar a Reserva Federal Americana," disse Thapar. "O Fed admitiu abertamente que não compreende completamente o que está gerando essa fraqueza na inflação, mas parece determinado a ignorá-lo por enquanto e manter o ritmo da taxa."

  • Mercado imobiliário: a construção de novas casas aumentará para 1,2 milhões este ano, impulsionada principalmente pelas residências de uma única família (single-family homes). Como a reconstrução no sul do país ganha ritmo, depois dos furacões Harvey e Irmã, 2018 deve ter uma recuperação moderada com a construção de mais 70 mil novas casas, seguido de outro ano lento em 2019.

É esperado que as vendas de casas existentes aumentem em torno de 50.000 unidades, subindo para um total de 4.88 milhões em 2017. O crescimento das vendas em 2018 está em aberto, à medida que as taxas de financiamento estão aumentando, mas deverá crescer para 4,97 milhões de unidades em 2019.

  • Rendimento disponível: o crescimento do rendimento disponível real aumenta de 1,4% em 2017 para 2,6% em 2018 e de 3,2% em 2019, uma vez que os cortes de impostos são incorporados gradualmente e há crescimento salarial. O consumo cresce a um ritmo constante de 2,5-2,7% em 2018 e 2019.
  • Vendas de veículos leves: as vendas de veículos leves diminuirão para 17,1 milhões de unidades em 2017, abaixo dos 17,5 milhões vendidos no ano passado e permanecerão praticamente estáveis em 2018 e 2019.
  • Tesouraria: até o final de 2018, a taxa de 3 meses do Tesouro aumentará para 1,6%, o rendimento dos títulos de 10 anos do Tesouro chegará a 3,0% e a taxa de financiamento de 30 anos atingirá 4,5%.

 

Relatório (PDF): The U.S. Economic Outlook for 2018–2019
RSQE
Gabe Ehrlich
Daniil Manaenkov
Aditi Thapar